Avaliação de torque e temperatura gerados por fresas de aço inoxidável com e sem recobrimento no momento da furação óssea em osso de porco

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
IIIa02-036
Regiane Fanganiello Zagni Rossi, J.L.(Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares); Zagni, R.F.(Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares); Nigro, F.(Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares); Bottrel, J.(Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares); Mucsi, C.S.(Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares); Aranha, L.C.(Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares); Micelli, A.L.(Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares); Angelo, M.B.(Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares); Alencar, M.C.(Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares); Leite, D.M.(Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares); O presente estudo tem como objetivo analisar em osso animal, o efeito da superfície do instrumental de corte, ou fresa, no torque e na temperatura gerada no momento da perfuração óssea em maxila e mandíbula do porco minipig, fresas estas utilizadas na instalação de implantes dentários. As fresas analisadas são representantes da linha friccional com dois tipos de acabamento superficial: DLC (diamond like carbon) e sem DLC, em aço inoxidável martensítico. Isto, com a finalidade de comprovar o poder de corte de 30 a 40 furações com a fresa de aço sem recobrimento e de 40 a 50 furações com a fresa com recobrimento, sem gerar um aumento de temperatura e consequente necrose óssea. Nas análises das fresas, buscou-se aprimorar o conhecimento do efeito deste material e acabamento superficial na perfuração de osso. Também foi estudado o efeito da macrogeometria, verificando o torque e a temperatura gerada pela fresa, ambos durante a fresagem óssea com irrigação.
<< Voltar