Recuperação do cerato de bário testado como catalisador na síntese do biodiesel

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
Ig10-003
Raul Erikson Dantas Alves Santos, A.G.(Universidade Federal Rural do Semi-Árido); Andrade, J.A.(Universidade Federal Rual do Semi-árido); Alves, R.E.(Universidade Federal Rural do Semiárido); Santos, F.K.(Universidade Federal Rural do Semi-árido); Sena, M.S.(Universidade Federal do Rio Grande do Norte); Silva, M.M.(Universidade Federal do Rio Grande do Norte); Na produção de biocombustíveis, o biodiesel tem destaque pelo fato da síntese ser a partir de matéria prima renovável, além da reutilização de catalisadores heterogêneos; à facilidade de remoção e de reutilização faz com que os catalisadores heterogêneos ganham notoriedade no âmbito industrial. Apesar da aplicação desses catalisadores apresentar grandes vantagens, poucos são os trabalhos que abordam a recuperação. Assim, este trabalho tem como objetivo testar a viabilidade metodológica de recuperação do catalisador sólido testado na síntese do biodiesel. Nesse estudo adotou-se o cerato de bário, até o momento não utilizado como catalisador nessa reação, e utilizou-se ciclo-hexano, Álcool Etílico e mistura ciclo-hexano e Álcool Etílico (1:1) no processo de recuperacao. Em seguida, os pos foram tratados termicamente em condições distintas: (1) secagem a 100°C por 24h, (2) calcinação a 600ºC por 5h e (3) calcinação a 1100°C por 5h. Posteriormente fez-se análises termogravimétrica e de difração de raios-X. Pode-se observar a presença de óleos nos pós após lavagem com Álcool Etílico, ciclo-hexano ou a mistura (1:1), com perda de massa total de 74%, 90% e 71%, respectivamente. Entretanto, quando tratados termicamente a 600ºC, observa-se a presença do BaCeO3 com cerca de 2% de BaCO3, mas quando tratados a 1100°C pós monofásico de cerato de bário são obtidos, constatando a completa recuperação dos pós.
<< Voltar