Modificação Superficial da Fibra de Carbono via Descarga Plasmática DBD

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
IVq04-005
Fernanda Steffens Oliveira, F.R.(Universidade Federal de Santa Catarina); Steffens, F.(Universidade Federal de Santa Catarina); Feitor, M.C.(Universidade Federal do Rio Grande do Norte); Ferreira, I.L.(Universidade Federal do Rio Grande do Norte); Souza, I.A.(Universidade Federal do Rio Grande do Norte); Paes, J.T.(Universidade Federal do Rio Grande do Norte); Nos últimos anos diversos materiais fibrosos, denominados de elevado desempenho, vêm surgindo com o objetivo de serem aplicados em diferentes áreas da engenharia. Dentre estes materiais a fibra de carbono vem ganhando um destaque especial e seu crescimento é de fato evidente. Entretanto, a baixa polaridade desta fibra torna difícil a sua molhabilidade e consequentemente sua interação química com outros reagentes, como por exemplo matrizes poliméricas. Diante disto, muitas vezes, uma modificação química ou física na superfície deste material torna-se necessária para criação de uma superfície mais reativa. A tecnologia de descarga plasmática DBD (Double Barrier Discharge) é um plasma frio de baixa frequência que consiste na ionização do ar à pressão atmosférica, gerado por uma descarga elétrica de elevada voltagem, e que quando aplicada ao processamento têxtil tem revelado ser uma técnica eficiente para modificar as características superficiais destes materiais. Neste trabalho, foi estudado o efeito da descarga plasmática DBD nas propriedades das fibras de carbono. As técnicas, resistência à tração e alongamento à ruptura, FTIR, MEV e AFM foram utilizadas com o intuito de caracterizar físico-química e morfologicamente o substrato fibroso em estudo. Com as análises efetuadas foi possível verificar que a descarga DBD pode afetar de forma significativa a superfície da fibra de carbono, deixando-a mais limpa, mais rugosa e com mais grupos químicos polares, sem alterar as suas propriedades intrínsecas.
<< Voltar