Modificação da Energia de Superfície do Politetrafluoretileno e da Poliamida 6 por Radiação Ultravioleta e Chama Oxidante

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
IVi04-004
Rodrigo Silva Gomes Gomes, R.S.(Instituto Federal de São Paulo); Nossa, T.S.(Instituto Federal de São Paulo); Zilnyk, K.(Instituto Tecnológico de Aeronáutica); Os polímeros têm ganhado espaço entre os materiais de engenharia. Diversas peças antes fabricadas em metal vêm sendo substituídas por polímeros devido principalmente ao seu baixo custo de produção, baixa densidade e propriedades mecânicas satisfatórias. Porém, em algumas aplicações há a necessidade de se recobrir a superfície do polímero com uma fina camada de metal (Cr, Cu, Al etc.). A técnica mais utilizada para este fim é a galvanoplastia, mas a deposição física de vapor (PVD - Physical Vapor Deposition) vem ganhando espaço devido a sua maior flexibilidade e menor impacto ambiental. Para garantir uma adesão efetiva do filme à superficie do substrato polimérico, é essencial que o substrato apresente uma energia livre superficial suficientemente alta. Os polímeros possuem energia de superfície entre 25 - 50 mJ/m2, relativamente baixa, impossibilitando uma boa adesão do filme à superfície. Com o objetivo de elevar a tensão superficial dos polímeros Politetrafluoretileno (PTFE) e Poliamida 6 (PA6), usualmente aplicados como materiais de engenharia, foram utilizadas as técnicas de exposição à Radiação Ultravioleta e Chama Oxidante. Foi possível a modificação da energia superficial de ambos polímeros e os valores de energia livre de superfície foram obtidos de forma indireta utilizando o Método do Ângulo de Contato (CAM) e aplicando a teoria de Owens-Wendt.
<< Voltar