Estudo da capacidade adsortiva e dessortiva da quitosana em relação a acaricidas orgânicos

Referencia Apresentador Autores
(Instituição)
Resumo
IVa32-007
Priscila Fernanda Pereira Barbosa Barbosa, P.F.(Universidade Estadual Paulista); Oliveira, D.R.(Universidade Estadual Paulista); Andrade, R.D.(Instituto Federal de Goiás); Do Carmo, D.R.(Universidade Estadual Paulista); O ineficaz controle de pragas no setor da agropecuária tem conduzido a busca por alternativas que confira em vantagens para o produtor rural, tais como acaricidas que contenha baixo valor de teor residual, que apresente potencialidade em sua aplicação, além de possuir efeito prolongado. Espécies vegetais tais como a Azadiracht indica, conhecida popularmente como Neem contém em sua composição componentes tóxicos para os carrapatos do tipo Rhipicephalus (Boophilus) microplus. O efeito prolongado desse extrato vegetal pode ser obtido através do processo da liberação controlada. Neste contexto a quitosana é um polímero promissor nos estudos de absorção e dessorção, pois em sua estrutura possui os sítios ativos amino e a hidroxila. Assim o objetivo deste trabalho foi realizar o estudo da capacidade adsortiva e dessortiva da quitosana em relação ao extrato etanólico do Neem. Preparou-se o extrato do Neem através das suas folhas secas pelo processo de maceração a frio utilizando-se o etanol com solvente. Modificou-se a estrutura da quitosana a partir do processo de inversão de fases, produzindo micropartículas. Realizou-se ensaios para verificar a interação das moléculas de quitosana com o extrato. Realizou-se a titulação condutimetrica para avaliar o perfil de dessorção. As amostras obtidas foram caracterizadas pelas técnicas de MEV, FTIR e UV-vis. As micropartículas interagiram via atração eletrostática com o extrato, promovendo a adsorção. No processo de titulação observou-se a liberação do composto nas faixas de pH 5-7, pH próximo ao do couro dos bovinos, os resultados das caracterizações de FTIR e UV-vis corroboram com o fato mencionado. Além de que o processo de modificação estrutural promoveu a produção de partículas em escala manométricas, sobressaindo os resultados esperados.
<< Voltar