Palestras


Adriana Vieira Martins, DOUTORA EM ODONTOLOGIA – FO/UFMG
MESTRE EM DENTÍSTICA – FO/UFMG
ESPECIALISTA EM PRÓTESE DENTAL – FO/UFMG
ESPECIALISTA EM IMPLANTE – ABO/SL
ESPECIALISTA EM DENTÍSTICA – ABO/BH

Seleção de resina fotoelástica para ensaios de modelos com dentes e/ou implantes sob carga mastigatória

Adriana Vieira Martins

Faculdade de Odontologia - UFMG e Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear

Resumo
É fornecer subsídios para escolha de uma resina fotoelástica mais apropriada para construção de modelos que simulem o suporte alveolar de dentes e/ou implantes sob carga mastigatória. Pretende também discutir a relevância da opção adequada destinada àquela circunstância. Quatro discos de dimensões 5mm e 5cm de espessura e diâmetro, respectivamente, foram confeccionados a partir de 4 marcas comerciais de resina epóxi muito utilizadas para ensaios fotoelásticos bidimensionais em Odontologia (Araldite - Produtos Químicos Ciba S/A do Brasil; PL2 - Measurements Group, Raleigh, NC, USA; Flexível GIV - Polipox; Rígida GIV - Polipox). Cada disco foi submetido um carregamento diametral, progressivo e de 150N, sendo esta intensidade de carga condizente com uma situação de mastigação em área de molar. Até que se formasse a franja de ordem 4, as respectivas cargas foram registradas. O limite de carregamento de 150N e/ou a flambagem do modelo foram os fatores que indicavam a suspensão de carregamentos adicionais. As imagens formadas foram visualizadas em um polariscópio circular (CDTN) de campo escuro, tanto sob luz branca como também sob luz monocromática. As imagens foram registradas por uma câmera fotográfica (T2i – Cannon) para cada ordem inteira de franja formada. Para verificar se o experimento foi conduzido corretamente, foi utilizado um software de simulação FOTOFRAN. Quatro discos, um a um, sob compressão diametral, simulados e alimentados com as dimensões de cada disco utilizado no ensaio experimental, com a constante fotoelástica de cada um dos quarto materiais e com a carga determinada no experimento foram gerados. A partir dos resultados do ensaio experimental, foi possível notar que a resina Araldite comportou-se dentro do regime elástico com uma intensidade de carregamento muito próximo ao valor de interesse (168,5 N). De maneira totalmente oposta, a resina Flexível GIV mostrou áreas que fugiram do regime elástico com um carregamento de apenas 20 N. Já, o modelo de Resina Rígida GIV, apesar de ter trabalhado dentro do regime elástico, teve sua primeira ordem de franja formada somente aos 280,3 N de carga, fugindo aos objetivos desta pesquisa. Para o disco em resina PL2, não houve praticamente a formação de franjas mediante o mesmo carregamento. Este material apresentou-se com baixa recuperação elástica e excessiva demora para liberação das tensões após cessar o carregamento. Quanto ao aspecto visual, excluindo a resina PL2, todas as outras se mostraram translúcidas e incolores. E a partir dos resultados da simulação fotoelástica, para cada padrão de franjas experimentais obtidas, a partir das imagens fotográficas, foi possível estabelecer um padrão de franjas isocromáticas sintéticas similares àquelas do experimento. De acordo com os resultados obtidos e as evidências apresentadas neste trabalho, foi possível concluir que dentre as quatro marcas de resina avaliadas, a Resina Araldite é o material mais adequado à construção de modelos com dentes e/ou implantes sob carga mastigatória para ensaio fotoelástico bidimensional. E a correlação das imagens obtidas no ensaio experimental com aquelas isocromáticas sintéticas atestou a correta condução do trabalho, gerando resultados confiáveis. Apesar disso, é necessário considerar o tipo de ensaio a ser realizado no momento da opção pelo material de modelos fotoelásticos para estudos em Odontologia, para que se faça uma escolha embasada em evidências.